Você confiaria em um robô?

Essa é a pergunta que vem sendo feita por centenas de cientistas e engenheiros, desde o avançando da tecnologia. Filmes futuristas, matérias em jornais, tv’s e mídias eletrônicas falam deste assunto a todo momento. Mas você teria coragem de confiar suas atividades diárias, o transporte de um veículo ou até mesmo uma cirurgia à um robô? Estas máquinas que são programadas por comandos são realmente confiáveis? Este é o assunto de hoje do nosso blog. Até onde vai a confiança do ser humano em uma máquina?

Atualmente, podemos acompanhar testes do Google e outros grupos, com carros sendo controlados apenas por comandos. As feiras de ciências das escolas não são mais como as de antigamente, hoje é possível presenciar apresentações de robôs que são controlados por comandos de voz, estímulos cerebrais ou sensoriais que estão ligados em fios conectados à cabeça para que realizem alguma função, mesmo que seja levantar um copo com água. Atletas são convidados para fazer testes com membros robóticos, com o intuito de melhorar a qualidade de vida de pessoas que sofreram algum trauma ou sequelas em acidentes graves.

Testes estão sendo realizados constantemente, então podemos entender que estamos próximos de uma realidade possível, certo? Em 2013 foi divulgado pela Univesp/SP através do Portal Brasil, que um projeto de pesquisa idealizado por professores e alunos do laboratório de Mecatrônica da Escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de São Paulo (EESC/USP), está desenvolvendo sistemas mecatrônicos de tempo real para ajudar na reabilitação física de pessoas que sofreram algum tipo de dano físico grave. A intenção da equipe é utilizar estes robôs em pessoas que sofreram AVC, já foram realizados teste em pessoas saudáveis com resultados positivos. Eles estão aguardando autorização do comitê de ética para que seja realizado testes em pacientes reais.

É perceptível que esta realidade está próxima, mas será que estamos preparados para lidar com esta tecnologia? Existem inúmeras possibilidades e situações que um robô pode ser utilizado em nossas vidas e isso é claramente visível. Para uma pessoa que sofreu sequelas em algum acidente e deseja retomar suas atividades, pode não ser igualmente da forma como era antes, mas pode ser uma possibilidade de viver novamente sensações que foram limitadas. Para pessoas com limitações em atividades que necessitam de controle sensorial, como as pessoas que tiveram AVC, pode ser considerado um auxílio no tratamento e um alívio para familiares e cuidadores, pois muitas pessoas desejam a independência para realizar certas atividades no dia-a-dia e com ajuda da tecnologia isto esta bem próximo. Robôs sendo utilizados no comando de veículos de transporte ou até mesmo em cirurgias podem causar um certo incômodo, mas podemos considerar como uma evolução natural das coisas. Ainda teremos algum tempo para questionar e refletir sobre esta inovação. Os filmes futuristas que se diziam fictícios estão começando a virar realidade. Você está preparado para esta novidade? Você confiaria em um robô?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *